sábado, 7 de julho de 2007

Estio

Não tenho dias santos. Desconheço os hiatos do calendário. Não fiz escolhas com prazo de

amarração. A vida e as ausências ressoam com seu dobrar interminável. Tenho prazer nos dias

destinado ao sagrado e as chagas não se atemorizam nos dias úteis. Existo, talvez. Nomeio o

tempo e seus significados, pelo faltar...

Um comentário:

Fátima disse...

César,
o calendário e o relógio dizem respeito ao tempo de fora, o tempo que passa... dentro de nós contamos, marcamos e somos marcados pelo tempo que não passa, ou pelas coisas e experiências que nos conectam com a essência da eternidade...